segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Mais um ataque especulativo na Orla do Guaíba: Eles não se cansam!


Parece que estamos frente a uma nova investida especulativa da Orla do Guaíba. Hoje o dublê de prefeito Fortunati recebeu um documento intitulado de "Propostas arquitetônicas com alternativas de lazer e esportes na orla do Guaíba". Leia a matéria AQUI

A proposta, "é um desafio que exigirá a participação do poder público e da iniciativa privada. Parte das obras será viabilizada com recursos de emendas da bancada gaúcha na Câmara Federal, que correspondem a R$ 27 milhões, e outra parte por meio de Parcerias Público Privada".

Vejam bem, novamente a iniciativa privada é chamada a contribuir com o erário público. Será que não há verbas públicas para gerir o espaço público?

Eu moro no centro de Porto Alegre e sou usuário da Orla do Guaíba. É claro que melhorias são bem vindas para qualificar este importante espaço público. Mas não posso concordar com a forma de se fazer estas melhorias.

É só conferir de perto a "adoção" da Orla do Guaíba, da Usina do Gazômetro ao Anfiteatro Pôr do Sol pela Pepsi, e ver que, o que estava previsto, mais da metade ficou somente na promessa. Daí eles usam o espaço para faturar.

Na proposta esté prevista a construção de bares, restaurantes e quiosques pra atrair a população.
Mas aí eu pergunto: quem vai se beneficiar financeiramente da exploração deste comércio?

Mas o que me deixa mais indignado é a sanha capitalista que, ao invés de, por exemplo, despoluir o Arroio Dilúvio, vão fazer "obras" para quê? Para o povo ou para quem pode pagar a conta dos bares e resaturantes?

"O documento entregue ao prefeito José Fortunati também terá sugestões técnicas relativas à captação de parceiros privados e planos de gestão específicos para cada empreendimento, visando à viabilidade financeira e mercadológica das intervenções. A revitalização da orla faz parte do conjunto de ações projetadas para a Copa do Mundo de 2014".

Fica aqui mais uma indagação: Quem, cara pálida, elaborou este "documento"?

As empreiteiras? A prefeitura? A socidedade foi ouvida?
Pois é...

Um comentário:

Henrique wittler disse...

Garanto que foram as construtoras.
As construtoras se acostumaram a ganhar nos últimos meses.
Ganharam a área do Estaleiro Só que éra área Estadual foi parar na Prefeitura e depois nas mãos de Construtores. Valor 35 milhões.
A área do Humaitá, ARENA Gremista, que éra pública do Estado, parou nas mãos de uma entidade (FCORS) com gravames, tirados os gravames por YEDA, a área por extorsão acabou sendo do Grêmio que porr alguma razão deu á Construtora OAS.
A área na esquina Avenida Ipiranga com a Paiva doada á Federação Valor 350 milhões.Gaucha de Futebol por Fogaça para construção de 12 andares de salas comerciais. Valor 12 milhões.
Agora a área do Cais da Mauá que YEDA quer dar em licitaçãso por 45 mais 45 anos á alguma construtora. Valor inestimável.
Sem falar na área da FASE que YEDA quiz permutar por 7 prédios para FASE no interior. Valor dos prédios 78 milhões. Valor da área 1.200 Hum bilhão e duzentos milhões. A área é do tamnho de dois parques da Redenção.