quarta-feira, 26 de maio de 2010

Consumo maior do brasileiro gera maior volume de LIXO.


O momento econômico favorável do Brasil, o modelo capitalista gerador de consumo e falta de uma legislação sobre o destino dos resíduos sólidos, é responsável pela contaminação do solo e da água. Este problema, afeta, principalmente, as áreas urbanas, onde há maior concentração populacional e, conseqüentemente, maior consumo de produtos industrializados.

Pesquisa recente mostra que a produção de resíduos sólidos (lixo) no Brasil, já chega a patamares dos países desenvolvidos da Europa e dos Estados Unidos.

A média de geração de lixo no Brasil hoje é de 1,152 kg por habitante por dia, padrão próximo aos dos países da União Européia, cuja média é de 1,2 kg por dia por habitante. Nas grandes capitais, esse volume cresce ainda mais: Brasília é a campeã, com 1,698 kg de resíduos coletados por dia, seguida do Rio, com 1,617 kg/dia, e São Paulo, com 1,259 kg/dia.

Além disso, o volume de lixo cresceu 7,7% em 2009 - foram 182 mil toneladas/dia geradas em 2009, ante 169 mil toneladas/dia no ano anterior. Os dados fazem parte do estudo "Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2009", que será divulgado hoje, no Rio.

Entulho


E não são apenas os resíduos que caracterizam o lixo doméstico (resto de alimentos, embalagens) que estão em expansão. O País também está produzindo mais entulho de construção: hoje, na média, cada brasileiro produz 0,576 kg de resíduos de construção civil. Em 2009, foram 91,4 mil toneladas/dia do entulho - um crescimento de quase 14% em relação a 2008, quando foram geradas 80,3 mil toneladas por dias de entulho.


Segundo Silva, isso é reflexo do bom momento da economia e do setor de construção em especial. "Há mais pessoas construindo e nenhuma lei que regulamente o descarte desses materiais."



Leia a metéria na íntegra aqui

Um comentário:

Criis Ribeiro disse...

Feliz dia do geógrafo!!!

muito sucesso!!!

Cris

http://umageografaemparafuso.blogspot.com