terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Mortos após tufão chegam a quase mil nas Filipinas: Retratos dramáticos de um clima desregulado.


As mudanças climáticas estão cada vez mais intensificando os eventos da natureza. Fenômenos como o El Niño e LaNiña, que são observados a mais de um século, hoje em dia, estão com efeitos mais severos. Tornados, furacões, enchentes e secas, afetam milhões de pessoas no mundo e causam mortes e perjuízos incalculáveis, com o tufão que ocorreu nas Filipinas.

Os danos causados a população e ao país, fizeram que o presidente das Filipinas, Benigno Aquino (leia AQUI), declarasse nesta terça-feira estado de calamidade nacional depois que novas inundações e deslizamentos de terras decorrentes de um tufão que passou pela região no fim de semana e deixou um saldo de quase mil mortos e dezenas de milhares de desabrigados.

Parece que a natureza está se rebelando contra o descaso do homem com a natureza. Nossa ciência é, ao mesmo tempo, benéfica a vida, curando doenças, nos dando uma melhor qualidade de vida mas, por outro lado, produz um sub-produto que, se levarmos em consideração os estragos que fizemos, ficamos no prejuízo.

O rápido crescimento da população e a aglomeração concentrada em áreas relativamente pequenas, fazem pressão sobre os recursos naturais e energia e, esta última, na maior parte extraída dos combustíveis fósseis, estão mudando o nosso clima.

Não adianta sermos "modernos", com tecnologias de ponta se não conseguimos conviver com as limitações naturais do Planeta. Em Durban, na conferência sobre o clima, os países são unânimes em admitir que é imprescindível uma mudança para atenuar os efeitos do aquecimento global, mas não movem um milímetro em direção a uma mudança de paradígma. Temo que ainda vamos assistir eventos muito mais devastadores... quem viver, verá!